A tecnologia e a profissão contábil

1-283

A tecnologia e a profissão contábil

17:29 20 maio in Sem categoria
0 Comments

Autora Emanuella de Sousa Morais1

Orientadora Patrícia Christina Pires Sales2

Resumo

O presente artigo tem por objetivo analisar as consequências dos avanços tecnológicos para a profissão contábil que diante da dinamicidade dos processos, mudanças de cenários e exigibilidade de adequação das empresas tornou-se necessário que o profissional desenvolva uma habilidade em que o novo perfil que gerencie tenha acesso às novas tecnologias estando aptos às novas mudanças administrativas e contábeis dos estabelecimentos. Com isso a Contabilidade 4.0 assume um papel imprescindível nesse novo momento, pois busca fomentar no profissional que essas novas rotinas das empresas, aliadas aos aspectos tecnológicos facilitam esse cotidiano e tornam mais eficazes e velozes na geração de informações para a tomada de decisão. A pesquisa buscará responder o seguinte questionamento: Quais as consequências dos avanços tecnológicos na profissão contábil na percepção dos contadores de São Luís – MA? Para isso, o objetivo geral do trabalho é identificar as consequências dos avanços tecnológicos na profissão contábil a partir da percepção dos contadores de São Luís – MA. A metodologia utilizada para a realização desse trabalho será a aplicação de questionários com 100 contadores de São Luís – MA, possuindo uma abordagem dedutiva, utilizando-se de procedimentos históricos e comparativos, com objetivos de características descritiva e explicativa.

Palavras – Chave: Contabilidade, Tecnologia, Tomada de decisão.

  1. INTRODUÇÃO

A Contabilidade, com o passar dos anos, vem sofrendo mudanças, assim como outras ciências. Esta evolução surge da própria necessidade do mercado, que busca sempre melhorias, demandando cada vez mais por informações seguras e honestas para a tomada de decisão. Adaptar-se a essas mudanças e usar a tecnologia a seu favor, é ganhar mais produtividade, podendo contabilizar mais dados em tempo mais ágil, melhorar a qualidade do serviço ofertado, e sem perder a essência dos princípios contábeis.

Os impactos resultantes dessa evolução e, sobretudo, dos avanços tecnológicos, refletem diretamente na maneira como os serviços contábeis são executados, e destacam-se ao fornecer progressos que facilitam a execução desses serviços, dando eficiência e eficácia nas tarefas contábeis, assim, facilitando a vida de muitas pessoas, e por outro lado, impõe as pessoas a adaptar-se a esses avanços, resultante da evolução decorrente da constante mudança do ambiente em que vivemos.

Desta forma, com o mundo cada vez mais tecnológico e exigindo do bom profissional, este deve estar sempre em busca de obter conhecimentos sobre esses avanços tecnológicos, tomando medidas que pouco a pouco modernizam suas atividades para melhor atender seus clientes. Portanto, é comum alguns profissionais serem resistentes às mudanças e delimitarem suas ações, mas quem se adapta mais facilmente, certamente, observa de forma mais rápida e prática de cumprir as obrigações.

Contudo, há o crescimento das empresas de modo consequente das mudanças tecnológicas, assim, gerando a necessidade de aprimoramento do profissional, pois com toda a tecnologia, existe o fator da competitividade. Portanto, com base dos novos avanços, surgem novas tendências no perfil do profissional contábil, que necessita cada vez mais do uso e domínio de novas tecnologias que facilitam o cotidiano e aprimora a qualidade nas informações prestadas, tornando um fator indispensável no perfil do novo profissional.

Grandes mudanças sociais vêm sendo originadas pelos avanços da tecnologia. Assim, a tecnologia está na base dessas mudanças e é a partir desses avanços tecnológicos que as relações entre tecnologia e a profissão se transformam e evoluem. Portanto, com toda a exigência da tecnologia é indispensável para a atualização do bom profissional, além da importância para a Universidade e sociedade estarem em constante atualização com as mudanças tecnológicas. Desta forma, ganham sempre mais relevância as discussões das consequências dos avanços tecnológicos na profissão contábil, no propósito de garantir um melhor serviço prestado pelo profissional, diante de um mercado com crescente número de concorrentes.

Tendo em vista a relevância da abordagem do tema neste artigo, o presente trabalho tem como problema de pesquisa: Quais as consequências dos avanços tecnológicos na profissão contábil na percepção dos contadores de São Luís – MA? Tal interrogatório há de exigir tanto uma revisão bibliográfica quanto a aplicação de instrumento de observação ou coleta de informações eficientes para possibilitar que a temática pesquisada atinja o objetivo geral da pesquisa que é: Identificar as consequências dos avanços tecnológicos na profissão contábil a partir da percepção dos contadores de São Luís – MA.

  1. REFERENCIAL BIBLIOGRÁFICO

Para que o presente artigo alcance suas finalidades, este capítulo fundamenta a pesquisa teórica a ser realizada, apresentando conceitos e características específicas, cujo intuito será o de dar contextura técnica-científica a este trabalho. Neste sentido, é solicitada uma abordagem aos seguintes temas: Evolução da Contabilidade; Mudanças Tecnológicas na Contabilidade; Novo perfil do Contador, que compreende-se ser o caminho para a análise do problema suscitado neste artigo.

2.1 Evolução da Contabilidade

A contabilidade é considerada uma ciência muito antiga, mas que vem desenvolvendo ao longo dos anos. Por ser considerada tão antiga, muitos associam com a história da própria civilização, onde começa surgir as obrigações geradas pelo aumento de patrimônio, no qual o homem tem a necessidade de registrar e controlar essas riquezas. Portanto, a contabilidade primordial já era praticada pelo homem primitivo ao contar seus utensílios de caça e pesca, e seus rebanhos. Nesse contexto, Sá (2010, p. 22) afirma que, através da arte e dos utensílios que já possuía, o homem primitivo passou a comprovar a riqueza do patrimônio que detinha, produzindo pinturas nas paredes e também em fragmentos de ossos por meio de riscos.

Ao passar dos anos, com o desenvolvimento das civilizações, e consequentemente o avanço da contabilidade vai ganhando forma, a sistematização da contabilidade estava a caminho, a arte e ciência também se desenvolviam, pois o homem sente a necessidade de registrar seus ganhos e possuir o controle de seus bens, surgindo assim, o Renascimento, grande marco na evolução da contabilidade, com o método das partidas dobradas, abordada no livro de Frei Luca Pacioli. Acerca disso, Iudícibus; Marion e Faria (2009, p. 9) declaram que a consolidação do método das partidas dobradas, foi a primeira literatura contábil expressiva pelo Frei Luca Pacioli em 1494, e o marco neste período, embora já fosse um método comum anteriormente e praticado no século XIII.

Hendriksen e Breda (1999, p. 39) declaram também que, a literatura de Frei Luca Pacioli era um tratado de matemática, mas que abordava sobre partidas dobradas, e apresentava raciocínio em que se baseavam os lançamentos contábeis. Sobre esse método, Marion (2015, p. 164) assegura que, embora houvesse muitas descobertas e invenções nos últimos anos, esse método não sofreu nenhuma ameaça de extinção ou substituição, não sendo bastante para estabelecer o que seria a contabilidade, portanto na evolução histórica surgiram escolas sobre o pensamento contábil, buscando determinar o seu objeto de estudo.

Constata-se que desde a sua origem, a contabilidade já tinha o patrimônio como seu principal objeto de estudo. Segundo Ribeiro (2015, p. 4), a contabilidade estuda e controla o patrimônio e suas variações, com o objetivo de fornecer informações uteis para a tomada de decisão. Contudo, no decorrer dos anos foram surgindo discussões a partir dos estudos sobre a contabilidade, seus métodos e formas de aplicação, a contabilidade passa então a ser discutida como ciência. Iudícibus (2015, p. 18) certifica que a partir do século XIX, após o aparecimento inicial do método contábil, na Itália, e divulgação da “escola italiana” na Europa, surge uma nova fase que muitos designam de científico.

Nesse momento da Contabilidade, muitos pensadores e autores debatiam conceitos, teorias e, sem dúvidas, proporcionavam um desenvolvimento inesperado na contabilidade. Na medida em que os avanços ocorriam, foram surgindo escolas de pensamento contábil, e a contabilidade passou a seguir conceitos e teorias eficientes para cada época. Dentro deste entendimento, segundo Schmidt (2000, p. 29) a primeira escola contábil teve um crescimento relevante através do estímulo dos primeiros livros impressos. Dando início a história do pensamento contábil, no século XV, principalmente com a obra de Pacioli, por mais que muitos autores históricos conhecidos atualmente façam parte dessa escola.

No Brasil, não ocorreu o desenvolvimento de escola do pensamento contábil, mas tem ajuda de grandes pensadores e acontecimentos sociais para o avanço da contabilidade no país. Iudícibus; Marion; Faria (2009, p. 16), asseguram que no Brasil, o estudo da contabilidade é de extrema importância, além de afirmar sobre, no que se refere ás demonstrações contábeis, que a legislação brasileira contábil é considerada uma das mais aperfeiçoadas do mundo. Iudícibus (2015, p. 22) certifica também que tradicionalmente, nossa legislação, está sempre à frente em relação aos competentes que irão aplicá-la e isto é mais sentido no campo contábil.

O mercado está exigindo mais agilidade na geração de informações por conta da evolução da tecnologia, retratando a era digital como um dos maiores marcos de evolução contábil, pois esta provocou enormes modificações na contabilidade. De um lado o governo tendo que aperfeiçoar seus métodos, do outro a contabilidade tendo que acompanhar rapidamente esse processo para produzir dados a todos os envolvidos, visando diminuir o número de fraude e as sonegações de tributos por parte dos contribuintes. Sobre essa evolução, Andrade et.al (2016, p. 10) alegam que com a necessidade de renovação do contador e afirmando que as informações contábeis não pode ser mais escrituradas manualmente ou de forma mecânica, a informática trouxe inúmeras vantagens para a área contábil. Deste modo, pode-se verificar que a informática e contabilidade avançam juntas contribuindo com informações ágeis, e na qualidade dos profissionais, empresa e sociedade.

Através dessa evolução, a contabilidade passou por diversas modificações, tornando possível o aprimoramento de uma simples escrituração primitiva para uma forma mais moderna e eficaz das informações, satisfazendo as necessidades dos usuários. Porém, a contabilidade ainda está em constante evolução, para está sempre contribuindo de alguma maneira nesse mundo tecnológico, que busca pelo trabalho qualificado para cumprir com suas expectativas.

2.2 Mudanças Tecnológicas na Contabilidade

No decorrer do tempo, as inovações tecnológicas proporcionaram muitas melhorias, uma delas fizeram com que as máquinas que auxiliam a contabilidade fossem fornecendo procedimentos mais eficazes, em um processo lento, mas que foi sendo adaptado até chegar ao aprimoramento da tecnologia, com a informática, possibilitou a contabilidade adaptar-se as suas novas técnicas, garantindo processos cada vez mais simples e rápidos. Oliveira (2018, p. 8) relata que o envolvimento da informática está cada vez maior com as empresas de contabilidade, pois para manter-se no mercado com o aumento de processamento de informações é fundamental adequar-se ao desenvolvimento que a informática vem possibilitando.

Por mais que a contabilidade tenha tido uma evolução de modo mais lento no século passado, após o surgimento das máquinas industriais ela teve uma crescente mudança, na qual o processo manual foi substituído pelo mecânico e logo depois pelo eletrônico. Druker (2000, p. 1) declara que, após a segunda metade do século XX, no novo cenário com a tecnologia, foi compreendido por diversas áreas do conhecimento quando as ciências exatas e humanas se revelaram em benefícios ao processo de inovação. Devido essa inovação, foi surgindo inúmeros benefícios para o ambiente empresarial.

O ambiente tecnológico empresarial sempre interessado em novas práticas e técnicas que aperfeiçoassem os seus trabalhos, e a contabilidade por mostrar-se sempre fundamental nesse desenvolvimento, inseriu-se em uma prática moderna, no mundo digital dos sistemas de informações empresariais, buscando facilitar ao contador o acompanhamento das atualizações que o mercado exigia. Aproveitando essa busca do aperfeiçoamento, o governo instituiu o Sistema Público de Escrituração Digital.

É um arquivo digital, que se constitui de um conjunto de escriturações de documentos fiscais e de outras informações de interesse dos Fiscos das unidades federadas e da Secretaria da Receita Federal do Brasil, bem como registros de apuração de impostos referentes às operações e prestações praticas pelo contribuinte. Este arquivo deverá ser assinado digitalmente e transmitido, via internet, ao ambiente SPED. (RECEITA FEDERAL, 2007, s.p)

Com a instituição do SPED, o governo obtêm informações de forma mais ágil e segura, com o objetivo de diminuir fraudes, sonegações de impostos e omissões de informações, que com a ajuda da internet tem facilitado ao contribuinte o envio dessas informações ao Fisco. Por essas razões, com a finalidade de gerar e enviar arquivos de dados eletronicamente, surgiu uma nova esfera de serviços contábeis: a Contabilidade Digital.

Vislumbrando melhorar os controles e obter avanços nesse meio, foi criado o Sistema Público de Escrituração Digital [SPED], no contexto do Programa de Aceleração do Crescimento do Governo Federal do Brasil [PAC], em que a mudança do método de escrituração e obrigações acessórias evolui da chamada era de papel, para entrar numa era digital, fazendo com que a informação fosse processada de forma mais rápida, confiável e de fácil acesso às entidades responsáveis (OLIVEIRA; AUGUSTINHO, 2017, p. 33).

Com essa evolução, observa-se que a contabilidade é constantemente desafiada a melhorar e apresentar métodos utilizados nos procedimentos de geração de informações solicitadas por seus usuários, no entanto, nesse desenvolvimento tecnológico, o governo brasileiro também é desafiado a buscar aprimoramento das suas técnicas, para contribuir com o processo de agilidade e veracidade das informações. Sobre essa evolução, Hendriksen e Breda (1999, p. 24) afirmam que devido às modificações no ambiente, evidenciações atuais e aperfeiçoamento tecnológico, houve o crescimento da contabilidade, mas que ainda tem muito a avançar conforme as mudanças em nossos meios.

Dessa maneira, observa-se que os processos tecnológicos estão em constante desenvolvimento, buscando benefícios para todos os usuários da contabilidade. Assim sendo com o projeto SPED, que aproximou a relação entre contribuinte e fisco, além de ser o impulso para a ampliação empresarial e contábil, visando atender as exigências legais e cumprir com as obrigações. Segundo Araujo (2017, p. 8), assim como a era da informação está em processo, consequentemente o ambiente contábil também está, pois da mesma forma que deter uma tecnologia do qual auxilia na produtividade, deve também estar com um profissional que saiba utilizar os meios tecnológicos para alcançar bons resultados.

Em vista disso, por outro lado, as empresas e contadores passam a ter novas preocupações com as obrigações que começaram a surgir com a implantação desse projeto, que apesar de ter sido um processo com mudanças e modificações, a instituição do Sistema Público de Escrituração Digital trouxe exigências para o Fisco e também para os seus contribuintes, que é necessário estarem em busca pelo conhecimento da utilização constante aos novos métodos que estão evoluindo. Schneider; Souza (2016, p. 10) certifica que com o surgimento do SPED, o profissional contábil passou a possui um papel mais abrangente e ativo, diferente de antes, que possuía um simples significado no meio empresarial.

Portanto, por mais que esses avanços tenham eliminado alguns trabalhos manuais, surgiram novas funções, obrigações e exigências para o profissional, tornou-se necessário um novo perfil do contador, que pudesse compreender as inovações tecnológicas desenvolvidas nos serviços contábeis, e atender as empresas que estão procurando por soluções de profissionais inovadores e que ofereçam diferenciais.

      1. Contabilidade 4.0

O mercado de trabalho requer habilidade do profissional para conviver com diversos cenários, pois novas tendências surgem constantemente com muita velocidade, um exemplo disso é a contabilidade 4.0, que exige do contador ter conhecimento sobre tecnologia e ampla visão de negócio do cliente, para não perder as oportunidades de emprego e não ser superado pela concorrência, contudo os avanços tecnológicos são cada vez mais importantes para o contador. Segundo Faro (2018, s.p) o contador para ser mais ativo e está atento nas alterações da legislação é preciso estar ciente das inovações tecnológicas, proporcionando a prática mais adequada do serviço, e garantindo mais segurança aos clientes.

Os avanços da tecnologia proporcionram ao profissional contábil um trabalho menos cansativo. Segundo Junior (2018, s.p), era muito trabalhoso para o contador quando exercia suas atividades apenas de forma manuscrita, além de não poder ter muitas empresas por conta das condições de trabalho. Atualmente, com os benefícios da era digital, o profissional contábil poderá desenvolver suas atividades de modo mais prático e atender maior quantidade de empresas.

As novas tecnologias levaram os profissionais contábeis a aperfeiçoar suas rotinas, reduzirem custos, e melhorarem sua gestão, tudo isso com as vantagens da contabilidade 4.0, que eleva a produtividade, complementa a qualidade do serviço e ao mesmo tempo tornam os custos menores, fazendo com que se desenvolva um trabalho de forma rápido e ágil, aumentando sua prestação de serviço, e reduzindo risco de perda de prazos. De acordo com Junior (2018, s.p) o mundo da contabilidade passou por transformações ao acompanhar o desenvolvimento tecnológico do homem, e a contabilidade 4.0 sendo um termo derivado da indústria 4.0, sofreu atualizações pela aplicação de tecnologia de ponta nos escritórios e empresas de contabilidade.

Por mais que esses avanços tenham eliminado alguns trabalhos manuais, surgiram novas funções, obrigações e exigências para o profissional, além dos diferenciais competitivos. Portanto, ao adotarem a contabilidade 4.0, ganham diferencial para aderirem seu espaço e manterem-se competitivas com a qualidade igualada com a dos seus concorrentes, tornando-se necessário um novo perfil do contador, que pudesse compreender essas inovações tecnológicas, e atender as empresas que estão procurando por soluções de profissionais inovadores.

    1. Novo Perfil do Contador

A fim de atender as necessidades das empresas, que buscam profissionais capacitados que possam reduzir informações e adotar soluções de forma rápida e segura, o profissional contábil tem se adaptado ao mercado e desenvolvido novas características, que antes não eram exigidas pelo mercado, tem assumido um papel mais dinâmico, saindo do campo de apenas gerador de informações e se apresentando como um gestor de informações, capaz de examinar, identificar e orientar as empresas nas mais variadas situações. Iudícibus e Marion (2002, p. 25) relata que o contador será proveitoso na tomada de decisões, pois ele está voltado à elaboração e administração das informações que orientam para o caminho certo para o desenvolvimento do negócio tornando a contabilidade como mecanismo de planejamento.

Desta forma, o profissional contábil tem o seu perfil direcionado ao desenvolvimento e gerenciamento da informação, guiado para a tomada de decisão e não fica mais ligado a apenas funções operacionais. Conforme a necessidade das empresas, o profissional contábil se adapta a essas necessidades e se torna um profissional mais completo e dinâmico com ajuda das inovações tecnológicas desenvolvidas nos serviços contábeis para um melhor crescimento profissional. Marangon et.al (2017, p. 7) relata que o perfil do profissional contador da atualidade exige um conjunto de habilidades pessoais com amplo conhecimento das leis que norteiam as atividades empresariais pela qual é responsável, deve ser flexível aos avanços e inovações tecnológicas e que mantenha uma participação ativa na gestão.

Neste contexto, o profissional contábil se torna de extrema importância no processo de tomada de decisão, fornecendo informações essenciais para o gerenciamento das organizações por parte dos sócios. O contabilista não somente gera, mas também analisa e fornece pareceres que serão utilizados como base para decisões dos gestores. De acordo com Madruga; Nelson; Biazus (2016, p. 6), o trabalho do profissional contábil qualifica-se não só por cumprir prazos e estabelecer informações de suporte ao processo decisivo em tempo ágil, mas também por desenvolver controles da área financeira econômica e patrimonial das entidades jurídicas, conservando-se melhoria em relação à legislação pertinente.

Portanto, o profissional dentro das organizações e no mercado atual tem tomado uma posição de gerenciamento, esclarecendo a ideia de que a função do profissional contábil não está atrelada apenas a fornecer informações ao fisco e gerar guias de pagamento, sem possuir nenhuma ligação ao processo de gestão e tomada de decisão das organizações empresariais, porém, além disso, possui missão de contribuir com a realização dos objetivos da empresa e permitir a análise e a continuidade dos negócios. Fahi; Manhani (2015, p. 29) relatam que o contador é considerado um agente de evoluções que contribui para a continuidade e crescimento da empresa, devendo mostras suas competências e valorização do serviço ofertado.

Com a alta competitividade do mercado, as empresas necessitam do acompanhamento do profissional contábil para tomar decisões, visando reduzir os riscos, garantir à sustentabilidade dos negócios e a estabilidade econômica e financeira, precisando assim, o contador exercer um papel importante, buscando informações e elementos que asseguram o fluxo de informações contínuas, que leva a empresa a tomada de decisões. Foi nessa circunstância, com necessidade da contabilidade consultiva que se mostrou o perfil do contador, indo muito além de fazer escrituração contábil, pois o novo perfil do profissional exige trabalhar com plano de ação e executá-lo. Rocha (2018, s.p) conceitua contabilidade consultiva como exemplo de negócios tendo em consideração que o contador utiliza da Ciência da Contabilidade para identificar e zelar pela saúde das empresas, atuando de forma mais próxima ao empresário, com foco na relação com seu cliente.

Esse novo perfil do profissional contábil apresenta o contador como atuante de consultor de negócios, capaz de ter uma visão mais ampla e melhor sobre a empresa, detectando problemas e ajudando o empresário a resolver de forma mais eficaz e alcançar os melhores resultados. Para essa mudança é essencial à modificação da mentalidade do contador, para que esteja disposto a aprender com as novas práticas e buscando conhecimento necessário. Nesse contexto, Hernandes (2019, s.p) afirma essas modificações já são temas para muitos debates e eventos, em que ressaltam o contador como consultor e agente de transformação, muito válido para conscientizar mais profissionais contábeis desta habilidade que é o futuro da profissão contábil.

É sugerido aos profissionais contábeis desta nova era um desenvolvimento constante de suas práticas e competências, não limitando a contabilidade apenas, como uma ciência de débito e crédito, e sim como um dominante sistema de informação, de relevante importância no meio decisório de gestão das organizações e também na sociedade como um todo, pois nelas os profissionais contábeis tem uma grande responsabilidade, social e econômica.

  1. METODOLOGIA DO TRABALHO

Buscando alcançar o objetivo proposto pelo presente trabalho, o primeiro passo para a realização da pesquisa foi a procura das referências bibliográficas em livros, artigos científicos, internet e demais publicações relacionadas com o assunto. Este trabalho terá como método de abordagem dedutivo, visto que esse método é um processo de geração de informações, levando a uma conclusão com a aplicação da regra geral na particularidade, se encaixando com a abordagem deste trabalho.

Quanto aos procedimentos técnicos que serão utilizados para o levantamento de dados necessário para o desenvolvimento da pesquisa serão constituídos de procedimentos histórico e comparativo, mostrando o resultado dos avanços tecnológicos no perfil do contador e fazendo o comparativo do perfil do contador de antes com o da atualidade. Quanto à natureza desta pesquisa está classificada como aplicada, pois tem o objetivo de gerar conhecimentos que contribuam com a profissão contábil. Com abordagem qualitativa, a pesquisa irá buscar aprofundar conhecimentos através da aplicação de um questionário de 20 perguntas, restringindo-se em entender o novo perfil do contador devido aos avanços da tecnologia e tentar responder as consequências dessas evoluções na profissão contábil. Quanto aos objetivos, está caracterizada como uma pesquisa descritiva e explicativa, pois através dela será possível descrever e explicar as consequências da tecnologia nesse novo perfil do contador.

A amostra da pesquisa será feita com 100 contadores de São Luís – MA, por meio de questionário fechado, no período de 17 de agosto de 2019 a 17 de setembro de 2019, buscando extrair uma maior quantidade de informações sobre o tema, e valorizando a experiência do profissional que por este motivo se faz necessário à investigação da visão do contador, analisando o seu ponto de vista sobre o tema com base nas respostas do questionário.

O trabalho analisará as consequências dos avanços tecnológicos na profissão contábil, assim como permitir que a temática investigada possa identificar essas consequências na percepção dos profissionais contábeis atingindo o objetivo geral da pesquisa. Os dados extraídos da pesquisa serão analisados através da análise de conteúdo, pois de acordo com Vergara (2015, p. 204) esse processo analisa e interpreta as informações possíveis de obter através da pesquisa, no qual será com os contadores de São Luís – MA, e os resultados serão compilados e demonstrados em planilhas e gráficos visando atingir o objetivo geral da pesquisa.

  1. Referências Bibliográficas

ARAÚJO, Gleimisom. A contabilidade na era da informação: o papel do profissional contábil nos dias atuais. Contábeis, 2017. Disponível em: < https://www.contabeis.com.br/artigos/3761/a-contabilidade-na-era-da-informacao-o-papel-do-profissional-contabil-nos-dias-atuais/ >. Acesso em: 29 de abr. de 2019.

CONTABILIDADE 4.0: o que esperar do futuro da profissão? Blog FARO, 2018. Disponível em: <https://blog.faro.edu.br/contabilidade-4-0-o-que-esperar-do-futuro-da-profissao/>. Acesso em: 04 de maio de 2019.

DRUCKER, Peter. Além da revolução da informação. SCRIBD, 2000. Disponível em: < https://pt.scribd.com/document/171565667/Peter-Drucker-Alem-da-Revolucao-da-Informacao>. Acesso em: 28 de abr. de 2019.

FAHI, Alessandra Cristina; MANHANI, Lourdes Pereira de Souza. As perspectivas do profissional contábil e o ensino da contabilidade. Revista de Ciências Gerenciais, 2015. Disponível em: < http://revista.pgsskroton.com.br/index.php/rcger/article/view/2709>. Acesso em: 7 de maio de 2019.

GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 6 ed. São Paulo: Atlas, 2017.

HENDRIKSEN, Eldon S; BREDA, Michael F. Van. Teoria da Contabilidade. Tradução da 5° Edição Americana por Antonio Zoratto Sanvicente. São Paulo: Atlas S. A, 1999.

HENDRIKSEN, E. S.; BREDA, M. F. V. Teoria da Contabilidade. São Paulo: Atlas, 1999.

HERNANDES, Anderson. O que é contabilidade consultiva. 2019. ANDERSON HERNANDES, 2019. Disponível em: < https://www.andersonhernandes.com.br/o-que-e-contabilidade-consultiva/>. Acesso em: 7 de maio de 2019.

IUDÍCIBUS, Sérgio de; MARION, José Carlos; FARIA, Ana Cristina de. Introdução a Teoria da Contabilidade. 5° edição. São Paulo: Atlas S. A, 2009.

IUDÍCIBUS, Sérgio de. Teoria da Contabilidade. 11° edição. São Paulo: Ed. Atlas S. A, 2015.

IUDÍCIBUS, Sérgio de; MARION, José Carlos. Introdução à Teoria da Contabilidade: para o nível de graduação. 3 ed. São Paulo: Atlas, 2002.

JUNIOR, Luiz Sampaio Athayde. A Moderna Indústria 4.0 e a Contabilidade. Ciências Contábeis, 2018. Disponível em: <http://www.cienciascontabeis.com.br/a-moderna-industria-4-0-e-a-contabilidade/> Acesso em: 04 de maio de 2019.

MADRUGA, S R.; Colossi, Nelson; BIAZUS, C. A. Funções e Competências Gerenciais do Contador. Revista de Administração da UFSM, v. 9, n. 2, p. 182-191, abr./ jun. 2016.

MARAGON, F. A. et al. Os desafios do contador frente à tecnologia na contabilidade. Revista Conexão Eletrônica, v. 14, n. 1, p. 1445 – 1452, 2017.

MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Técnicas de pesquisa. 8 ed. São Paulo: Atlas, 2017.

MARION, José Carlos. Contabilidade Básican. 11° edição. São Paulo: Atlas S. A, 2015.

OLIVEIRA, Israéllen Thamara de Souza. A evolução tecnológica na área contábil: impacto empresarial. Contábeis, 2018. Disponível em: < http://repositorio.saolucas.edu.br:8080/xmlui/handle/123456789/2767?show=full>. Acesso em: 28 de abr. de 2019.

O que muda nas empresas com o surgimento da contabilidade 4.0? Módulos, 2019. Disponível em: < https://www.cursosmodulos.com.br/Artigos/O-que-muda-nas-empresas-com-o-surgimento-da-contabilidade-4-0>. Acesso em: 5 de maio de 2019.

RIBEIRO, Osni Moura. Contabilidade Geral. 9° edição. São Paulo: Saraiva, 2013.

ROCHA, Fernanda. Contabilidade Consultiva: Guia definitivo – O que é e como fazer. NUCONT, 2018. Disponível em: <https://blog.nucont.com/contabilidade-consultiva/> Acesso em: 7 de maio de 2019.

SÁ, Antônio Lopes de. Teoria da Contabilidade. 5° edição. São Paulo: Atlas S. A, 2010.

SCHMIDT, Paulo. História do Pensamento Contábil. Porto Alegre: Bookman, 2000.

SCHNEIDER, Davi Augusto; SOUZA, Ângela Rozane Leal de. Importância do profissional da Contabilidade: uma análise  frente às alterações advindas do Sistema Público de Escrituração Digital – SPED. Repositório Digital, 2016. Disponível em: < https://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/148542 >. Acesso em: 29 de abr. de 2019.

SISTEMA Público de Escrituração Digital. Receita Federal.  [s.d.]. Disponível em: <Sped.rfb.gov.br>. Acesso em: 28 de abr. de 2019.

SOUZA, L. A. et al. Aceitação de tecnologias digitais (SPED) por parte dos contadores. Revista ABRACICON, n. 19, p. 32 – 39, fev./mar./abr. 2017.

VERGARA, Sylvia Constant. Métodos e Técnicas de Pesquisa em Administração. 6 ed. São Paulo: Atlas, 2015.

No Comments

Post A Comment